quinta-feira, 23 de abril de 2009

Coisas da Política, 23 e 24 de abril de 2009

Clima quente na Assembléia Legislativa do Estado. O deputado Arnaldo Jordy (PPS) fez ontem (22) discurso em defesa de famílias retiradas de terreno invadido em Castanhal. O presidente Domingos Juvenil (PMDB) rebateu, defendendo o direito à propriedade. Ao final, disseram que foi apenas um debate próprio do Parlamento.

 

Na pressão

Depois de muita pressão da Imprensa e da opinião pública, a Câmara dos Deputados dá sinais de que serão tomadas medidas mais severas contra a ‘farra das passagens aéreas’ das cotas dos parlamentares. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (22), pelo presidente da Câmara Federal, deputado Michel Temer (PMDB-SP).

Sem parentes

Entre as medidas anunciadas, Temer disse que passarão a ser de uso exclusivo dos deputados e assessores a cota parlamentar de passagens aéreas. Também serão extintas as sobras de créditos nessas cotas e restringido o uso para viagens nacionais, acabando com o turismo internacional de deputados, amigos e familiares.

Sufoco

O feriado foi de muito trabalho para o prefeito de Xinguara, José Davi Passos (PT), que desde o domingo (19) praticamente não saiu de seu gabinete. Ali, recebeu autoridades de segurança do Estado, fazendeiros e representantes de movimentos sociais, para intermediar o conflito na fazenda Espírito Santo, onde sem-terra e seguranças trocaram tiros na tarde de sábado (18).

Congresso

O deputado João Salame (PPS), 1º vice-presidente da Assembléia Legislativa do Estado, participou, na última terça-feira (21), de congresso municipal do seu partido em Benevides, na Região Metropolitana de Belém. No mesmo dia, esteve em Tracuateua, no nordeste do Pará, onde manteve contatos para organizar o PPS no município.

Alerta

Professores da rede estadual de ensino vão parar por 24 horas, nesta sexta-feira (24), interrompendo todas as atividades nas escolas. A paralisação é um protesto contra o governo do Estado e visa obter melhores salários e garantias trabalhistas.

Lei

A mobilização pela paralisação é do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Estado do Pará (Sintepp). A classe vai cruzar os braços em resposta ao governo, que não cumpre lei federal que exige o pagamento da diferença entre o atual piso de R$ 950,00 e salário de 200 horas/aula, no valor de R$ 860,00.

Reajuste

Dentre as reivindicações dos professores estão o pagamento da diferença salarial, em torno de dois terços; reajuste salarial de 30%; e aumento do auxílio-alimentação para R$ 300,00. A implantação do Plano de Cargos e Carreiras do Servidor também é reivindicada pelo Sintepp.

Força

O reforço na segurança das áreas de conflito entre fazendeiros e sem-terra, em Xinguara, será feito pela Polícia Militar, segundo informou ontem (22) o chefe da Casa Civil do governo do Estado, Cláudio Puty. Os 50 homens da Força Nacional, enviados pelo Ministério da Justiça, ficarão em Belém para resguardar a saída de mais PMs para o sul do Pará.

 

Taxistas de Marabá mobilizados para pressionar o governo municipal a editar lei que ponha um fim na bagunça em que se transformou o setor de transporte coletivo da cidade. Querem o fim dos táxis clandestinos, que segundo a prefeitura já são 150 atuando nas ruas de Marabá. Os táxis regulares são 179.

Nenhum comentário: